domingo, 14 de dezembro de 2008

Desordem na conjugação


Ser o que se é
Ser é o quê?
Se...
Não sei!!
Talvez permanecer
no que habita o ser
seja a válvula mais próxima ao escape;
mas para as escapatórias vividas
também há saídas..
Emergência!!!!
Melhor priorizar o seu ser
sem permanecer,
sem querer,
ser o que se pretende ser
ser o nunca sempre que puder ser
ser o sempre nunca que quiser ser
ser o instante apenas sempre e nunca em que se pretender
ser..
incluir o humano e fazer uma vitamina
para ver se é possível nunca permanecer
apenas no bar da esquina
mas fazer do gerúndio a sua única ponte
até onde o ponteiro indique a saída

3 comentários:

One Wrecked Mind Full of Thoughts disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
One Wrecked Mind Full of Thoughts disse...

E, obviamente, cá estarei eu - e eu! Estaremos nós, portanto, finalmente um/dois. Não se espante quando se deparar com Caliban onde esperava ver Ariel, ou vice-versa. Mas esteja certa de que onde um estiver o outro também estará. E ainda mais certa de que dentro destas duas almas avariadas, um consenso, quiçá o único, existe: tanto uma quanto a outra nutre grande consideração por você, pelo que você é, ou, ao menos, por aquilo que os seus devaneios deixam escapar. E continue a vagar por esses sonhos, tão reais quanto a materialidade do imaterial, que nós - eu e eu - iremos segurar forte a sua mão, não permitindo que fuja, e te acompanharemos até o fim - se é que existe alguma coisa a que podemos chamar de fim...

um báu disse...

"Meu único arrependimento da vida é o de não ser outra pessoa." (Woody Allen) Somos um e somos mil e nos sentimos tantas vezes como se não fôssemos nenhum... e o pior é que se encontrássemos quem somos certamente desejaríamos ser um outro qualquer... lá vem ela, a infinita insatisfação humana...bleeehhh ps (E se foge-me a essência entender, quer saber? Ao menos sinto que patacas caramelizadas harmonizam nosso ser! \o/)
rs